Loading...

EXCLUSIVO! Erasmo Damiani valoriza captação e preparo de jovens do Atlético-MG para o profissional

Pouco mais de dois meses após assumir o cargo de gerente da base do Atlético-MG, Erasmo Damiani já soma desafios e movimentos no mercado. Entre a chegada de profissionais, a mudança de postura no mercado e um novo foco, o profissional vem desenvolvendo um projeto ambicioso com os jovens do clube.

Erasmo Damiani chegou à Cidade do Galo há mais de dois meses. Foto: Divulgação/ Atlético

A mudança na presidência do Atlético provocou também uma alteração no olhar para a base. Mesmo após o título brasileiro sub-20, o clube decidiu trocar o comandante das categorias de base, trazendo Erasmo Damiani para o cargo de Júnior Chávare.

Desde então, o foco deixou de ser a agressividade no mercado, principalmente com atletas mais próximos do profissional, tornando-se as categorias inferiores. O Galo contratou profissionais para o setor de captação, extinguiu o time de transição e reforçou a categoria sub-20 com os atletas do próprio clube.

À frente desse processo, Erasmo Damiani traz a experiência de trabalhos vitoriosos no Athletico-PR, Palmeiras, Internacional e Seleção Brasileira, que será fundamental para lidar com os desafios da pandemia e de preparar jovens para um time profissional altamente competitivo. Ele comentou sobre esses e outros assuntos em entrevista exclusiva ao DaBase.com.br, como você pode conferir na íntegra abaixo.

DaBase: O que mais chamou a sua atenção no Atlético-MG nesses primeiros meses de trabalho?

Damiani: O nível de profissionais em diversas áreas, isso facilita o trabalho.

DaBase: O que vocês identificaram ser importante mudar na base do clube?

Damiani: Sempre se identifica algo que tenha que mudar, mas isso decidimos internamente. Uma alteração já conhecida por todos foi o término da equipe de transição.

DaBase: O clube contratou alguns profissionais nas últimas semanas. Qual é a importância dessas chegadas para o desenvolvimento do projeto?

Damiani: Os profissionais contratados foram na área de captação. Entendo que a área de captação é o coração da base, pois ali iremos captar jogadores para o futuro do clube.

DaBase: O presidente do Atlético declarou, no início do ano, que queria investir na captação de atletas mais jovens, que podem ser desenvolvidos no clube. Como trabalhar essa ideia em meio à pandemia?

Essa é uma preocupação grande. Temos que saber quais clubes, escolas de futebol e aonde elas estejam em atividades. Com isso mapeado, é irmos em visita para ver o que podemos monitorarmos. Assim que as atividades voltarem ao normal, esses atletas virem ao clube” – Erasmo Damiani.

Galinho está nas fases finais da Copa do Brasil Sub-20. Foto: Divulgação/ Atlético

DaBase: Ainda sobre a pandemia, após um ano, como recuperar o prejuízo causado, principalmente às categorias menores?

Damiani: Essa será talvez o maior desafio de todos. Teremos que ter muita sensibilidade para o retorno desses atletas ao clube. Fazermos uma anamnese com cada a atleta e respeitarmos o tempo que eles ficaram sem atividades diárias. Entendo que será um trabalho do zero. Vai prevalecer muito, nesse caso, a qualidade dos profissionais que você tem em seu quadro.

DaBase: Há expectativa de calendário para essas categorias menores em 2021?

Damiani; Infelizmente não.

DaBase: O Atlético vem fazendo grandes investimentos em atletas para o time principal. Como trabalhar a cabeça dos meninos para encarar essa concorrência por uma oportunidade?

Esse é um trabalho diário, independe do número de atletas em que o clube investiu. Eles tem que estar prontos para serem chamados a qualquer momento. Futebol é muito dinâmico, em um treino contra o profissional ele pode chamar a atenção da CT do profissional e no outro dia já estar no grupo principal. Volto a dizer, nosso trabalho é deixarmos eles prontos para qualquer momento serem chamados” – Erasmo Damiani.

Atlético é o atual campeão brasileiro sub-20. Foto: Lucas Figueiredo/ CBF

DaBase: Quais os planos do clube para o atacante Guilherme Santos, que foi emprestado recentemente e não foi inscrito na Libertadores?

Damiani: O Guilherme Santos teve COVID-19 bem na chegada do Cuca, com isso ele não participou do grupo que fez parte do inicio do Estadual. Nesse momento ele não teria espaço, por isso o empréstimo. Ele vai disputar uma Série B e será monitorado pelo clube, ganhará mais experiência.

DaBase: Para fechar, o que você acredita ser essencial para os jovens do Atlético evoluírem e chegarem preparados ao time profissional?

Damiani: Como processo de formação, você tem que dar todas as condições para essa evolução. O essencial é você qualificar ainda mais o trabalho e as áreas interligadas estarem em sintonia nas coisas que acontecem no dia a dia. Assim, você minimiza um erro que possa fazer com que esse ou esses atletas não cheguem no profissional. Falo da área técnica, nutricional, psicologia, fisiologia.

Deixe sua opinião

Jornalista apaixonado por qualquer espécie de futebol
Loading...